O que é linfedema nas pernas?O que é linfedema nas pernas?

Linfedema é um inchaço decorrente do funcionamento inadequado, obstrução ou malformação congênita dos vasos linfáticos. O linfedema nas pernas é bastante comum, mas o problema também costuma afetar outras partes do corpo, especialmente depois de um tratamento cirúrgico.

Vamos saber mais sobre a condição, incluindo sintomas, formas de diagnóstico e tratamento.



Entenda o que é linfedema

O linfedema se desenvolve quando os vasos linfáticos deixam de drenar normalmente o fluído intersticial, que é o líquido que percorre o espaço entre as células. Essa drenagem inadequada leva ao acúmulo progressivo desse fluído nos tecidos, causando aumento de volume, ou seja, inchaço.


Vários fatores podem causar os linfedemas, incluindo malformação congênita e infecções. A mais comum delas é a chamada erisipela, que acontece quando bactérias migram do tecido cutâneo e se disseminam pelos vasos linfáticos.


Além disso, alguns tipos de câncer podem invadir os vasos linfáticos e os gânglios, causando compressão e obstrução. Isso pode exigir a retirada dessas estruturas, prejudicando a drenagem da linfa e gerando o linfedema.


Por conta das diferentes formas de se desenvolver um linfedema, o problema recebe duas classificações:

  • Linfedema primário – quando há uma redução no número de vasos linfáticos, impedindo que o organismo processe toda a linfa. Essa é a principal causa de linfedema nas pernas e costuma ter origem em distúrbios hereditários. Esses distúrbios diferem de acordo com a idade em que os sintomas se tornam evidentes;

  • Linfedema secundário – é mais frequente e, geralmente, ocorre após uma grande intervenção cirúrgica, em que os linfonodos e os vasos linfáticos são removidos ou submetidos à radioterapia. Por exemplo, o braço tende a inchar após a remoção de um câncer de mama e dos linfonodos adjacentes.

A seguir, aprenda a identificar um linfedema nas pernas.


Como saber que é um caso de linfedema nas pernas

Entre os sintomas mais comuns do linfedema está o aumento de volume da região afetada, com um inchaço que piora no final do dia. No caso de linfedema nas pernas, esse inchaço começa gradualmente em uma ou em ambas as pernas. Mas o primeiro sinal pode ser o inchaço do pé, fazendo com que os calçados pareçam apertados no final do dia. Eles chegam até a deixar marcas no dorso!


Aqui, cabe uma observação: muitas pessoas que não têm linfedema nas pernas costumam apresentar inchaço local depois de ficarem muito tempo em pé. Nesse caso, é possível reparar, por exemplo, marcas em volta dos tornozelos por conta do elástico das meias. Essas marcas, no entanto, são muito menos profundas do que as marcas causadas por linfedema e não há inchaço na região que fica em volta delas.

Nas etapas iniciais de um linfedema nas pernas, o inchaço tende a desaparecer quando a perna é elevada, mas o quadro piora com o tempo. Então, o inchaço se torna mais acentuado, aparece logo nas primeiras horas do dia e não desaparece por completo mesmo depois que a pessoa ficou bastante tempo em repouso.


É importante buscar ajuda médica assim que perceber os primeiros sinais do problema. O linfedema nas pernas geralmente não causa limitação, mas se o inchaço progredir demais, pode haver endurecimento da pele e fibrose do tecido, causando dor.


A seguir, veja como é feito o diagnóstico e o tratamento de um linfedema.



Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico de um linfedema nas pernas (assim como o de qualquer linfedema) geralmente é feito com a história clínica e o exame físico da paciente. Em algumas situações, pode ser realizado um exame de linfocintilografia para uma avaliação mais profunda. Quem vai dizer isso é o angiologista ou cirurgião vascular.


Uma vez que o linfedema não tem cura, o tratamento normalmente envolve medidas para aliviar o acúmulo de linfa, ou seja, amenizar o inchaço. Evitar que o problema evolua também costuma ser o objetivo dessas medidas, que incluem:

  • Drenagem linfática manual;

  • Exercícios para os membros afetados;

  • Uso de faixas ou meias de compressão;

  • Massagem dos membros com meias ou mangas de compressão pneumática intermitente.

Quando os tratamentos convencionais não surtem resultados, pode ser recomendado o uso de medicação linfocinética (que vai estimular a movimentação da linfa pelos vasos) e, em casos extremos, existem opções cirúrgicas para retirar os tecidos inchados sob a pele e formar novos canais de drenagem linfática.


Agende uma consulta de avaliação caso você se identifique com o quadro. Quanto antes o diagnóstico de linfedema nas pernas é feito, menor a chance de o problema evoluir para algo mais grave.

Para saber mais sobre saúde vascular, navegue pelo meu blog.

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo