Serviços e Tratamentos

tb_Escleroterapia.jpg

Escleroterapia

Também chamada de "aplicação" ou até mesmo de “queimar vasinhos", a escleroterapia é um procedimento médico realizado para o tratamento de vasos sanguíneos dilatados ou com malformações, ou seja, varizes nos mais diversos tamanhos.
A escleroterapia pode ser realizada com injeções, termocoagulação e laser. É um tratamento sem necessidade de cirurgia e feito em consultório. Cada técnica tem sua indicação e o cirurgião vascular é o especialista recomendado para escolher o melhor tratamento.

ClaCS

O ClaCS é um tratamento moderno para tratar varizes e ele associa duas técnicas: Cryolaser e Cryo escleroterapia. Nesse procedimento são utilizados laser e escleroterapia para secar os vasos de maneira mais rápida. Simultaneamente é aplicado ar gelado, que potencializa o efeito e diminui o desconforto. Também é utilizado um equipamento de realidade aumentada que permite observar melhor as veias.
clacs.png
Cirurgias-de-varizes.jpg

Cirurgias de Varizes

As técnicas cirúrgicas tradicionais para tratar varizes consistem na ligadura ou na retirada das veias. A decisão sobre qual tipo de cirurgia deve ser realizada varia de acordo com as condições do paciente, a localização das varizes, o tamanho e a extensão delas e a gravidade da presença de refluxo venoso.
Muito mais do que um problema estético, as varizes são um sinal de que o sistema circulatório não está muito bem. As cirurgias de varizes devem ser realizadas sempre por cirurgiões vasculares. Os pacientes que podem se sujeitar a elas são aqueles cujos sintomas indicam doença mais complexa.

Ecografia vascular com doppler

Também conhecido como ultrassom vascular, este é um método de exame diagnóstico. A ecografia vascular utiliza o efeito doppler para visualizar e quantificar o movimento do sangue nas artérias e veias. Trata-se de um exame não invasivo, sem punções, injeções ou uso de contraste.
ecografia-vascular.png
aneurisma-aorta.jpg

Aneurisma de Aorta

A aorta é responsável por distribuir o sangue para todos os órgãos. Com o avançar da idade, estas artérias podem apresentar obstruções ao fluxo sanguíneo cerebral. Em geral, acontece pelo depósito de placas de colesterol e cálcio, que levam à diminuição da quantidade de sangue e oxigênio no cérebro.
Em um dado grau de obstrução, esta pode causar um acidente vascular cerebral (AVC), seja pelo entupimento das carótidas ou por descolamento de pequenas placas de gordura, que entopem pequenas artérias no interior do cérebro. Aneurismas devem ser acompanhados cuidadosamente para evitar o crescimento.

Cirurgia de carótidas

As artérias carótidas são as principais responsáveis por levar sangue oxigenado ao cérebro. Quando são obstruídas por placas de gordura, podem causar um derrame. Com acompanhamento clínico e realização de exames, é possível ver o grau da obstrução. Se for muito acentuado, é importante desobstruir as carótidas. Isso pode ser feito com cirurgia.
ecografia-vascular.png
angioplastia.jpg

Angioplastia

A angioplastia é um procedimento não cirúrgico que tem como objetivo a revascularização do coração. Com esse tratamento, é possível desobstruir artérias com deficiente fluxo de sangue causado por placas de colesterol em sua parede.
Uma vez identificada a artéria obstruída, é inserido um balão especial que comprime a placa aterosclerótica contra a parede da artéria, facilitando a passagem do sangue.

Acesso vascular para hemodiálise

A hemodiálise é um procedimento para limpar e filtrar o sangue. Faz parte do trabalho que o rim que não funciona bem já não consegue fazer. Para realizar esse procedimento, a máquina recebe o sangue do paciente por um acesso vascular, que pode ser feito por um cateter ou uma fístula arteriovenosa. Depois é impulsionado por uma bomba até o filtro de diálise.
acesso-vascular.png
cateter.jpg

Cateter Port-a-Cath

O cateter Port-a-Cath é um dispositivo usado para administração de medicamentos e coleta de sangue. Ele é formado por um reservatório e um cateter e é instalado com um procedimento cirúrgico. É comum a indicação desse dispositivo para pacientes que têm indicação de quimioterapia de longa duração, pois facilita a administração venosa.